[post originalmente publicado no Arcadia]

Assim como certos artistas, algumas pérolas do mundo dos videogames só são valorizadas de verdade quando é tarde demais. Um título para Game Boy Color – sistema que eu praticamente não joguei, pulei do GB original para o Advance – que teve todo um séquito underground de fãs era “Shantae”, distribuído pela Capcom. Quem olhava a capa poderia achar que era mais um jogo bobo, no esquema “shovelware” – mas quem o jogou viu que a parada não era bem assim. Tanto é que essa galera ficou amargando a espera da volta da personagem.

A companhia que desenvolveu do jogo original, a WayForward, ganhou mais evidência nos últimos anos. Graças a jogos como “Contra 4”, “Mighty Flip Champs!” e “A Boy and His Blob” – respectivamente para DS, DSiWare e Wii – o trabalho dos caras passou a chamar a atenção, independente de ser uma série original ou baseado em alguma licença externa. E agora, oito anos depois, a sacolejante e espevitada geninha volta em grande estilo no DSiWare em “Shantae: Risky’s Revenge”. E sim, vale cada centavo da compra: a aventura onde a pirata Risky Boots rouba uma misteriosa lâmpada mágica e certamente tem planos escusos diverte que é uma beleza.

Paraíso dos Exploradores: O formato “Metroidvania” garante que o jogador revisite as localidades de Sequin Land. Além das transformações da heroína (que com suas dancinhas rebolativas vira mico, elefante e sereia), ataques e habilidades especiais para cada uma destas levam a revisitar áreas inacessíveis e caçar itens. Para os mais tradicionais, o uso da tela de toque é econômico: ver mapa, itens e escolher as magias.

Mestres do Pixel Art: A WayForward entende do traçado quando o assunto é desenho e animação 2D. A fluidez da animação (sério, galera, as dancinhas), o detalhamento dos personagens e cenários coloridos e bonitos não devem nada a jogos de DS vendidos em lojas. E ainda por cima, tem um esquema bem interessante de camadas de cenário diferentes, no qual você pula para dentro ou fora da tela. Um colírio.

Obrigado, Volte Sempre: A campanha principal é bem robusta para um jogo por download (umas 5 ou 6 horas sem se dedicar muito à caça às jarrinhas de geleia para comprar os ataques especiais). Ainda assim, há o desafio dos speed runs, a torre de batalha… e brindes destrancáveis para quem tem o outro jogo deles – e seu desempenho nele afeta quais extras são dados…

Shantae: Na fala dela, linda é aliá

Etiqueta de Preço Assustadora: Talvez o maior contra deste jogo (e isto quer dizer muita coisa a favor da sua qualidade) é seu preço elevado para os padrōes DSiWare. É o jogo mais caro do serviço – mas ô se vale o preço do ingresso – ainda que isso possa afugentar os mais desavisados.

“Shantae: Risky’s Revenge” é um daqueles jogos que faz valer a compra do DSi (ou do 3DS, caso você seja paciente o suficiente para esperá-lo). A espera foi grande para os fãs das antigas, mas isso não quer dizer que os demais jogadores não se divertirão. A execução é cuidadosa, e a jogabilidade redondinha pra quem curte “Metroid” e” Castlevania”. E a heroína ainda dança que é uma beleza, heheh. Mesmo que seja o jogo mais caro do DSiWare, compre sem medo.

Exclusivo ao Nintendo DSi, “Shantae: Risky’s Revenge” é vendido por download na DSi Shop Channel e é recomendado para jogadores de mais de 10 anos.