Posts marcados com iPhone

Grosseria no talo em Hector: Badge of Carnage!

0

Hector: Badge of Carnage - Ep. 1

Até agora, as produções da Telltale Games foram relativamente mansas neste aspecto; é provável que Sam & Max tenha as referências mais picantes até então. Agora no papel de distribuidora, a TTG lançou o primeiro episódio de Hector: Badge of Carnage! (PC, Mac, iPad), adventure policial originalmente lançado para iPhone que preza por ser engraçado, desbocado e sujo.

Se você gosta de um humor mais tosco e grosseirão, não deixe de dar uma conferida em We Negotiate With Terrorists, a estreia de Hector: Badge of Carnage! E leia minha crítica para o Arena agora, seu pusilânime!

Dose dupla de Angry Birds na Digital

2

“Oi, meu nome é Tiago e eu estou há 12 horas sem jogar ‘Angry Birds'”. Há cerca de um mês e meio, o apresentador Tiago Leifert instalou este jogo em seu iPad. Desde então, o game foi tema de várias mensagens dele no Twitter, atiçando a curiosidade de seus seguidores e merecendo a hashtag #angrybirdsanonimos. E cada vez mais gente tem aderido à mania dos pássaros bravos.

Eu sabia que o meu vício em Angry Birds (tá, não é só isso, mas vá lá) daria nisso: uma matéria sobre o jogo de sucesso da Rovio na Digital e um papo o pessoal do estúdio em questão. Qwak!

Puzzle Agent: Borrachas, gnomos e mistério

0
[Post originalmente publicado no Arcadia]

Antes de mais nada, uma curiosidade: Steve Purcell, criador de Sam & Max, trabalhava como ilustrador na então chamada LucasFilm Games. Com o tempo (e uma série de “participações especiais” ocultas nos outros jogos), seus personagens acabaram por estrelar sua própria aventura. A Telltale, que conta com veteranos da LucasArts, parece repetir a dose ao dar a chance a um funcionário…

Nelson Tethers, o verdadeiro Puzzle Agent

Desta vez é o desenhista Graham Annable — da tirinha “Dank, the Caveman Inventor” e da série de quadrinhos “Grickle”— que tem sua chance de brilhar. As criações de Annable estão no site da empresa, assim como Sam & Max apareciam nos informes e impressos da Lucas. E a estreia de Annable no mundo dos jogos se deu com “Nelson Tethers: Puzzle Agent”, que reúne vários quebra-cabeças de lógica e uma trama pra lá de bizarra.

Como o nome sugere, Tethers é um agente do governo americano, e sua especialidade no FBI é resolver quebra-cabeças. Dito isto…

Puzzle Agent: Há um mistério em Scoggins

Estranhópolis – População: Todos: A cidade de Scoggins é repleta de figuras esquisitas, salvo raríssimas exceções. O clima também ajuda, já que a história inusitada envolve uma fábrica de borrachas de suma importância para o governo americano e uns gnomos mal-encarados.

Tudo Se Encaixa: Os enigmas são bem-amarrados às situações do jogo, como montar um prato para a garçonete distraída, descobrir a que horas aconteceu o estrondo na fábrica se baseando nos comentários dos quatro vigias de turnos diferentes, e por aí vai.

Terry Gilliam Aprova: Econômica, a animação dos personagens é digna do traço de Annable — até mesmo as imperfeições da ilustração a lápis são notáveis na hora dos closes de câmera — e a dublagem é boa, com sotaques variados para os coadjuvantes. Como o… sueco? Deve ser sueco… ah, o velho em um dos primeiros lugares da cidade.

Puzzle Agent: "Vai em frente e segue reto toda vida"

Quilo de Chumbo vs. Quilo de Algodão: Vá lá, é esperado que um jogo de quebra-cabeças seja desafiador, mas há uma disparidade grande na dificuldade. Claro, os primeiros são mais fáceis de resolver, e outros igualmente tranquilos estão salpicados no meio da aventura… depois de alguns de arrancar os cabelos.

Parece, Mas Não É: Não se deixe enganar pelo estilo visual simples: este jogo é tão leve para a máquina quanto os demais jogos da Telltale. Não que isto seja pesado, mas admito que fiquei surpreso quanto ao desempenho ser similar ao de outros jogos de gráficos mais complexos.

“Repeat, Please”: Como o jogo só está disponível em inglês e alguns enunciados são bem capiciosos, gamers menos safos poderão se enrolar um pouco. Vale redobrar a atenção na hora de ler a descrição de cada enigma, por via das dúvidas.

Seguindo a onda de jogos como “Professor Layton”, “Puzzle Agent” é uma produção bem competente e mantém o clima do trabalho de Graham Annable. Reunindo vários quebra-cabeças insólitos em uma cidade estranha (sem contar a trama, né?), o título é uma ótima pedida para quem gosta de puzzles casuais, mesmo considerando a disparidade na dificuldade destes. Nada que caçar os chicletes escondidos no cenário, que ajudam nosso herói a raciocinar melhor, não resolva.

Puzzle Agent (PC / a caminho do WiiWare, iPad e iPhone) é vendido por download, sem restrições de classificação etária.

Ir para o topo