Facepalm

[Parte de post originalmente publicado no Working Class Anti-Hero]

Escrever e manter um blog é dar a cara a tapa. Várias opiniões já renderam uma série de discussões acaloradas e intermináveis por conta de pontos-de-vista conflitantes… ou mesmo o embasamento falho de uns e outros. Um exemplo disto que aconteceu no meu metiê foi o caso do primeiro trailer do game de terror Resident Evil 5, que foi taxado de “racista” por Kym Platt, colaboradora de um blog coletivo norte-americano sobre consciência negra…

Isto seria muito justo, se Platt não tivesse ignorado por completo — se foi por ignorância do assunto ou conveniência, acho que nem quero saber — o fato dos inimigos serem zumbis; o game não ser direcionado a menores de 18 anos, derrubando a idéia de “estão treinando as crianças para odiarem negros”; o “herói branco” ser o mesmo de outro episódio da série, e que outros jogos da série representavam de forma adequada os monstros humanóides do jogo: americanos do interior (de várias etnias), hispânicos, e agora africanos.

Resident Evil 5

Tudo para defender seu argumento. Naturalmente, ela foi escorraçada pelo povo mais informado, por mais que alguns tenham ficado sob a égide do anonimato da Internet para insultá-la. É caído? É, mas é o preço que se paga por estar na Internet.

Por mais que blogs expressem opiniões pessoais de seus autores em sua maioria, não seria de bom tom pesquisar suas fontes antes para que haja um mínimo de coerência? A não ser, é claro, que você mantenha um blog sobre ficção, humor ou sátira (e mesmo nestes casos, atenção para o que escreve). Na minha opinião, as pessoas devem ser mais responsáveis ao escrever sobre determinados assuntos. Não estou cobrando que as pessoas sejam jornalistas ou professoras em seus blogs, só que o façam com um mínimo de responsabilidade ao escreverem.